Concebeu seu filho em estupro e recusou-se a abortá-lo: “Ele é minha maior b’n’o”

Texas, 13 junio 20 / 09:00 am (ACI).- “Um presente honroso e sincero de Deus: Isso é o que significa o nome do meu filho, que foi conmoción em umm estupro coletivo”, assim come-a o duro testemunho de vida de Paula Peyton, palestrante e ativista pró-vida que hoje apoia mulheres que vivem em uma situa-o semelhante.

Paula, natural de Memphis, Tennessee (Estados Unidos), foi concebida em umm estupro em 1991 e é m’e de Caleb, Umm menino concimí umm estupro coletivo em 2017. Atualmente, ela atua como diretora executiva da Hope After Rape Conception, uma Organizao sem fins lucrativos dedicada a ajudar máes que sofreram estupro precisam de apoio para criar seus filhos.

Paula contou sua história, em 5 de junho, em uma coluna publicada na plataforma pró-vida Live Action.

“Sofri um trauma na noite em que foi coni concib. Noo há como negar a existencia de um trauma depois que dois homens apontaram a arma para mim e me estupraram de todas como formas imagináveis. Honestamente, quando terminaram comigo, n’o sabia porque Deus tinha salvado a minha vida. Minha alma simplemente se apagou e vivi em umm perpétuo estado de luto”, narrou Paula sobre o terrível acontecimento que marcou a sua vida para sempre.

Una disse mulher que, naquele momento de dificuldade, Umm membro do clero da confissáo evangélica que frecuentar una pressionava “para tomar a pílula do diaguinte”.

“Naquele momento, eu juan tinha de como me sentia sobre o plano b, mas sabia o suficiente para entender que poderia evitar que uma pessoa humana una vez implantasse no durante seugio hadário. Por isso, decidi n’o aceitar e evitai como numerosas mensagens de texto e telefonemas do clero”, conta.

Paula que explica após o evento trau elmático elmático chorava o tempo todo “enquanto rezava e perguntava a Deus por que me ele me permitiu sofrer essa tortura naquela noite”.

“Senti-me desagradável, exausta, como se nunca pudesse voltar a estar completa, nunca voltaria a estar limpa, nunca experimentaria alegria ou a sensa-o de ter um propósito novamente. E senti que no tinha razáo para continuar vivendo”, contou.

Mas reagiu “através de médicas, dos testes e dos tratamentos proativos que recebi para DSTs, caso eu tivesse sido exposta a alguma coisa. Sofri os terríveis efeitos colaterais da profilaxia pós-exposio (PEP), com o objetivo de prevenir a transmisséo do HIV. Comecei a van-ar nessa nova existáncia anormal da qual n’o queria fazer parte”, acrescentou.

Em vez de usar a pílula do dia seguinte, Paula decidiu trocá-la na farmácia por umm teste de gravidez. Em pouco tempo, o sinal de “grávida” apareceu na pequena tela digital.

“Sorri. Sorri muito. Naquele momento, soube, sem dúvidas, que Deus havia me visto (…). Deus me deu a dor que eu sofri com um propósito. Isso me deu um motivo para viver. Deu-me o maior presente de amor e alegria que eu jamais poderia imaginar: una oportunidad de ser máe de Umm bebo perfeito”.

Depois deste acontecimento, a m’e disse que suas lutas n’o desapareceram, pois os membros da igreja á qual ela pertencia come-aram a pressioná-la para abortar e outros pararam de falar com ela. Chegaram inclusive a marcar consultas em clínicas de aborto sem o seu consentimento.

“Disseram-me diversas vezes que meu bebo era ‘malvado’, ‘uma semente de Satanás’, uma memória permanente do estupro’, ‘nem mesmo uma pessoa’, ‘desagradável’, ‘um erro’, ‘a a pela pela qual o aborto’, e continuavam e continuavam. Essas foram as coisas mais amáveis que disseram. No posso contar a quantidade de vezes que me disseram que no poderia amá-lo porque fui vítima de umm estupro”, escreveu Paula.

Em seu interior, agora conferencista pensava: “A pessoa que eles estavam tentando sobre a natureza intrinsecamente malvada do que chamavam ‘os beb’s do estupro de Satanás’, havia sido concebida em um um estupro, e n’o demonstrei nenhuma das características horríveis que me disseram que me disseram que me disseram que me diséram que me disseram que me disseram que me disseram que me disseram que me disseram que me disseram que me disseram que me disseram que me disseram que me disseram que me disseram que me disseram que.

 

Leave Comment

O seu endereço de email não será publicado.